Ierevan, cidade das artes

A capital da Armênia é uma das cidades mais antigas do mundo, tendo cerca de 2780 anos de história. Com suas influências persas, otomanas, soviéticas e europeias – as duas últimas mais gritantes – é ainda subestimada por muita gente. Antes de ir, ouvi muitos viajantes dizendo: “ah, é só mais uma cidade, fiquei lá um dia apenas e voltei”. Talvez por isso não tenham aproveitado.

Com aparência persa, leia-se narizes alongados, sobrancelhas bem delineadas, olhos amendoados, pele clara, parece não haver armênio que não se sinta bem em uma das centenas opções de cafés, sebos e galerias de arte. Sentados em grupos, olham o movimento da cidade, saboreando mais um café, mais um cigarro – e como fumam! – e o tempo passa leve na capital, sem ferir as almas. A música ambiente é um lounge, a versão chata da sua música preferida, que às vezes dá espaço a algum rock alternativo mais palatável.

De dia, faça chuva ou sol, fica difícil ver o Monte Ararate, onde Noé preparou sua arca, é o que a turma diz – quédizê, tá na Bíblia. Mas sua presença é indiscutivelmente parte da cidade, uma proteção visível apenas em dias extremamente diáfanos.

O melhor da capital fica para as galerias de arte, museus e espaços abertos, como parques e trevos. Recheados de obras incríveis, como três estátuas de Botero a céu aberto, esses espaços não deixam nada a desejar às capitais europeias – com raras exceções. Caminhando pela Cascade, por exemplo, uma escadaria criada em comemoração a União Soviética em 1971, pode-se observar dezenas de chafarizes, estátuas e obeliscos que retratam bem a arquitetura da época. Aliás, água é o que não falta não lá. Por ser potável, há bebedouros com torneiras abertas 24 horas na cidade inteira e algumas pessoas chegam a fazer fila diante deles. Ao fim, chegando ao topo da Cascade, a vista da cidade. As dimensões, grandiosas. E tudo iluminado com canhões coloridos durante a noite. Nas laterais do monumento que chega a ter 118 metros de altura, galerias de artistas contemporâneos armênios ou internacionais.

Ao redor, cidades históricas com as primeiras igrejas e monastérios do mundo. Ali está o berço dos estados cristãos, rodeado por montes verdes. O mais verde que a retina humana permite.

Ierevan é imperdível.

Um comentário sobre “Ierevan, cidade das artes

  1. Pingback: Um ano viajando | Km82

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s